Connect with us

Lgbti+

Experiência Social: Homofobia em Portugal

‘E Se Fosse Consigo?’ é um programa de informação da emissora televisiva SIC, apresentado por Conceição Lino e testa o comportamento dos cidadãos na defesa do outro, a partir de situações ficcionadas. Em 2016 foi transmitido o quarto programa ‘E Se Fosse Consigo?’ com o tema homofobia.

Este episódio com o tema central homofobia, tinha como objetivo de responder às seguintes questões:

  • Existe homofobia em Portugal?
  • Os portugueses são homofóbicos?
  • Os casais homossexuais podem estar à vontade como qualquer outro casal em lugares públicos?

Para responder a estas questões realizaram uma experiência através de uma cena encenada em que os dois rapazes estavam de mãos dadas e abraçados numa paragem de autocarro. O casal são insultados à vista de todos por uma mulher homofóbica que reprova aquele tipo de comportamento. O objectivo era entender a opinião das pessoas e se alguém estava disposto a intervir perante aquela situação de preconceito.

Existe todo o tipo de reacções desde pessoas predispostas a ajudar (🙏), indiferenças e pessoas homofóbicas. Veja/Reveja este vídeo na integra pois vale muito a pena. O programa de Conceição Lino conta também com testemunhos reais de jovens homossexuais vítimas de pais homofóbicos.

‘É contra natura. Se fosse um filho meu era tristeza grande que eu tinha.”‘

– comenta o participante da experiência.

Ser homossexual não é crime em Portugal. No entanto, durante o ano de 2018, o Observatório da Discriminação recebeu 186 queixas válidas por situações de discriminação em função da orientação sexual, identidade e expressão de género ou características sexuais. Se foi vítima de incidentes/crimes discriminatórios em 2019 e quiser denunciar por favor preencha o questionário por cada incidente/crime.

LINHA LGBT – Linha Telefónica de Apoio e Informação LGBT

218 873 922 //969 239 229 // De Quarta a Sábado, das 20H às 23H

Fonte: ILGA e SIC NOTÍCIAS

Orgulho Gay 🌈

Notícias

Bolsonaro diz que a OMS incentiva crianças a serem gays e se masturbar

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse que a Organização Mundial de Saúde incentiva a homossexualidade e à masturbação entre crianças. O líder de extrema-direita fez o anúncio no seu Facebook sem citar uma fonte. Posteriormente eliminou o post.

Essa é a OMS que muitos dizem que devo seguir no caso do coronavírus. Deveríamos então seguir também suas diretrizes para políticas educacionais?

Para crianças de 0 a 4 anos: satisfação e prazer ao tocar o próprio corpo *masturbação* ; expressar as suas necessidades e desejos, por exemplo, no contexto de *brincar de médico* as crianças têm sentimentos sexuais mesmo na primeira infância.

Para crianças de 4 a 6 anos: uma identidade de género positiva; gozo e prazer ao tocar o próprio corpomasturbação na primeira infância; relações entre pessoas do mesmo sexo.

Para crianças de 9 a 12 anos: primeira experiência sexual.

As alegações sugerem que a OMS incentiva essas práticas entre crianças pequenas.

Um consultor de Bolsonaro, Arthur Weintraub, twitou: “A OMS tem diretrizes que recomendam que crianças de zero a quatro anos sejam ensinadas sobre ‘masturbação’ ”, prazer e diversão ”, tocar o corpo de alguém e ‘ideologia de gênero’. Isso está certo?”

A origem das informações vem do guia “Padrões para Educação em Sexualidade na Europa“, publicado pelo Centro Federal de Educação em Saúde da Alemanha e pelo escritório europeu da OMS.

Embora não seja seu foco principal, o guia explica que as crianças geralmente estão a descobrir os seus corpos e diz aos pais e educadores que comportamentos como se tocar e curiosidade sobre sexualidade são normais em crianças. Mas não os convoca a incentivar nenhum dos comportamentos mencionados por Bolsonaro.

“Tropical Trump”, Bolsonaro, está regularmente em desacordo com a OMS desde o início da pandemia de coronavírus.

Ele diz que as medidas de distanciamento social estão a destruir desnecessariamente a economia devido a um vírus que ele compara a um “pequeno resfriado”, e recentemente demitiu o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Continue Reading

Filmes

Circus of Books

Circus of Books

Por décadas, um belo casal judeu dirigia o Circus of Books, uma loja de pornografia e epicentro da cidade de Los Angeles. A filha documenta a sua vida e a história da maior distribuidora de pornografia Gay do mundo.

Durante mais de 35 anos, a loja de pornografia gay “Circus of Books” proporcionou aos membros da comunidade LGBT+ de Los Angeles um espaço para socializarem e celebrarem quem são, sem serem julgados.

O que muitos clientes ignoravam é que a loja era gerida pelos proprietários Karen e Barry Mason, um casal heterossexual comum, com três crianças que frequentavam uma escola religiosa e que desconheciam qual era o negócio dos pais.

Durante muito tempo, os Mason recusaram-se a discutir a natureza do seu negócio com os amigos ou a família. Enquanto mantinham o segredo, testemunharam os primeiros tempos da epidemia do HIV/SIDA, tendo perdido uma geração de funcionários próximos.

Ainda assim, durante esse tempo, nunca se identificaram como ativistas — apenas empreendedores comuns a servir um mercado, até que a Internet o destruiu.

Com produção executiva de Ryan Murphy, “Circus of Books” é o documentário de estreia da artista Rachel Mason, que tem finalmente a oportunidade de perguntar às pessoas menos radicais que conhece — os seus pais — como é que se tornaram os maiores distribuidores de porno gay nos EUA. E, porque é que Karen reagiu de forma tão negativa quando o seu próprio filho saiu do armário.

Disponível na Netflix

Continue Reading

Notícias

Grindr é a aplicação de dating que mais consome mais bateria

Muitos estão a recorrer a aplicações de dating para procurar interação social durante este período de isolamento. E Uswitch analisou dados e descobriram que o Grindr é o aplicativo de namoro que mais consome bateria dos dispositivos móveis.

A empresa analisou as 50 aplicações mais populares nas principais lojas de aplicações e analisou quantas permissões de consumo de bateria uma aplicação usava e, quando se tratava de aplicativos de namoro, o Grindr ficou no topo.

O popular aplicativo de namoro gay tinha 28 permissões de drenagem de bateria, seguido por Bumble, que tem 20, Tinder, que tem 18, e Hinge, que tem 13.

No entanto, nenhuma das aplicações de namoro quebrou as dez principais aplicações que consomem mais bateria, como Google com 72 permissões de consumo de bateria. Seguiu-se o Facebook com 50 e o Facebook Messenger com 46. Com conselhos sobre a melhor forma de preservar a bateria do seu telefone, Ernest Doku, especialista em smartphones da Uswitch, disse: “Existem algumas maneiras simples de preservar a vida da bateria do telemóvel, como desligar o WiFi / Bluetooth e aproveitar ao máximo a baixa carga.

Ele acrescentou: “Agora que o distanciamento social está firmemente estabelecido, as pessoas passam mais tempo em casa e não cercado por pessoas, tornou-se natural que as pessoas usem mais os seus telefones. “O que podem ignorar é o consumo excessivo que isso causará na bateria, precisando que carregue com mais frequência do que o habitual, um desgaste para o telefone e a conta de luz”

No entanto, se durante este período encontrares alguém numa aplicação de dating, não importa qual uses, é essencial que NÃO saias para conhecê-lo. A menos que faças sexo com alguém da tua casa, é importante encontrares o prazer sexual de outras maneiras. O sexo é uma parte importante da vida, mas agora temos que encontrar outras maneiras de obter prazer e satisfação sexual.

Embora não haja evidências que sugiram que o coronavírus possa ser transmitido através do contacto sexual, o vírus pode ser transmitido através de contacto físico próximo, rimming e beijos por causa da saliva e muco.

Infelizmente lavar as mãos e não beijar ninguém durante o sexo não é suficiente para parar o vírus. Mesmo que alguém não tenha sintomas, ele pode ter o vírus. Estima-se que talvez uma em cada três pessoas com COVID-19 não tenha sintomas – mas ainda possa transmitir o vírus a outras pessoas. É altamente recomendável que você não se envolva com estranhos ou múltiplos parceiros para fazer sexo.


Continue Reading