Connect with us

Vídeos

A DOR DA VIDA: A Gente se Acostuma – Lorelay Fox

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor.
E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora.
E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir as cortinas.
E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz.
E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora.
A tomar o café correndo porque está atrasado.
A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem.
A comer sanduíche porque não dá para almoçar.
A sair do trabalho porque já é noite.
A cochilar no ônibus porque está cansado.
A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra.
E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos.
E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz.
E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da sua longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta.
A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita.
E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar.
E a ganhar menos do que precisa.
E a fazer fila para pagar.
E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagar mais.
E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes.
A abrir as revistas e ver anúncios.
A ligar a televisão e assistir a comerciais.
A ir ao cinema e engolir publicidade.
A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição.
Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro.
À luz artificial que fica tremendo.
Ao choque que os olhos levam na luz natural.
Às bactérias da água potável.
À contaminação da água do mar.
À lenta morte dos rios.
Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.

A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer.
Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá.
Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço.
Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo.
Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana.
E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele.
Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e do tiro, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida.
Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.

Marina Colasanti (1972)

Orgulho Gay 🌈

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vídeos

Banana Papaia: Os limites da orientação sexual

banana papaia

Banana Papaia é uma podcast apresentado por Rita Camarneiro e a Joana Gama, duas referências do humor português. No Banana Papaia falam sobre os limites de tudo e esta semana decidiram falar sobre “Os limites da orientação sexual”.

No meio de tantas histórias, testemunhos, parvoíces e gargalhadas, a Joana e a Rita falam de Escala de Kinsey, Orientações Sexuais, Homofobia… Vídeo recomendado pelo OrgulhoGay.pt. Assiste a este podcast superdivertido!

Continue Reading

Bem vindo ao Vale

Franz Ventura

franz ventura

Franz Ventura LGBT, pianista, compositor e YouTube brasileiro, já lançou 2 álbuns, é popular nas redes sociais e namora Danilo Dabague (Lorelay Fox).

Franz Ventura iniciou os seus estudos de música aos 14 anos. Formado pelo Conservatório Padre José Maria Xavier em São João del-rei – MG. O canal de Youtube do músico Franz Ventura atualmente é o 2° maior canal sobre piano erudito no Brasil e os seus vídeos biográficos sobre compositores clássicos são os mais acessados no mundo. Como pianista possui grande facilidade técnica e consciência musical, interpretação única, além de uma incrível capacidade de improvisação.

Compositor de centenas de obras para piano, concertos, sinfonias e música sacra. Com diversas performances no currículo pelo Brasil e também internacionalmente. Em 2013, lançou o seu primeiro CD autoral Obras para Piano e foi entrevistado pelo importante jornalista, escritor e político brasileiro Fernando Gabeira, pela G1 (Globo News). No seu intercâmbio na Inglaterra, teve participação e destaque principal em um curta-metragem sobre expressão musical livre, produzido na Estação St. Pancras em Londres. O seu segundo disco Obras para Piano, Vol. 2 (2016) foi gravado em São Paulo pelo engenheiro de áudio Carlos KK Akamine vencedor de 2 grammys. Atualmente, além do seu canal no YT, lança carreira independente totalmente autoral para piano solo erudito.

Canal de Youtube:

Contacto e Redes Sociais:

Email: franzventura91@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/FranzVenturaPiano
Instagram: https://www.instagram.com/franzventura
Spotify: https://open.spotify.com/artist/2UuW3fKpFiuzvND5PBNAWB
iTunes: https://itunes.apple.com/br/album/id1025007837
Deezer: http://www.deezer.com/br/artist/8636668/

Continue Reading

Entretenimento

6 Canais de Youtube LGBTI+

Reunimos uma lista com 6 canais de Youtube brasileiros com conteúdo LGBTI+ que oferecem informação sobre género e sexualidade de forma original, criativa e acessível para todos.

Canal das Bee

Jessica Tauane e Victor Larguesa apresentam o Canal das Bee, um dos mais populares entre os gays, que aborda temas cotidianos com tiradas feitas por uma lésbica e um gay para lá de divertidos. Não só um canal contra a homofobia. Um canal contra o preconceito, contra a transfobia, a bifobia, a lesbofobia, o machismo. Um canal a favor da diversão, do riso e de viver a vida do jeito que você quiser. E principalmente, sendo quem você é! Canal das Bee, porque uma abelha só não produz nenhum mel.

Visitar Canal da Bee

Enrique sem H

Enrique Sem H é um canal no YouTube que desde 2013 posta vídeos focados em: Sexualidade, autoconhecimento, controle emocional, mudança de hábitos, minimalismo e nomadismo; O escritor e videomaker minimalista por trás do Enrique Sem H  é o Enrique Coimbra

Visitar Enrique sem H

Louie Ponto

Louie Ponto: mulher, feminista, lésbica, vegetariana, youtuber e muito inspiradora. Ela usa o seu poder de alcance na internet para levar a mensagem feminista e LGBTQ+ para jovens mulheres e todos que procuram saber mais sobre o assunto.

Visitar Louie Ponto

Põe Na Roda

Criado em 2014, o Põe na Roda produz conteúdo LGBT com foco em vários temas: política, cinema, sexo, família, religião e muitos outros. O diferencial do canal é que, até com assuntos considerados pesados e difíceis, tudo é abordado com muito humor, enquanto orienta e educa.

Visitar Põe Na Roda

Para Tudo

Lorelay Fox é um fenómeno. A drag queen seguida por mais de 500 mil pessoas no canal ‘Para Tudo’, do YouTube, mobiliza multidões com as suas dicas de maquilhagem, se destaca como referência comportamental. Com humor, inteligência e uma boa dose de criatividade, ela aborda nos seus vídeos temas relacionados à cultura drag, como tipo de maquilhagens e penteados, e também assuntos mais densos, como afetividade, preconceito e relacionamentos.

Visitar Lorelay Fox

Muro Pequeno

Em ‘Muro Pequeno’, Murilo Araújo fala dos seus sonhos e desafios de ser gay e cristão. “Sempre que falo sobre ser gay e católico, tem pessoas que cita trecho bíblico nos comentários. Conheço esse texto”, afirma.

Visitar Muro Pequeno

Continue Reading